LIÇÃO 10 – AS DUAS PORTAS E OS DOIS CAMINHOS

Classe: Jovens

Trimestre: 2° de 2017

Revista: do Professor

Data da Lição: 04/06/2017

Editora: CPAD

TEXTO DO DIA

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.”(Jo 14.6)

SÍNTESE

Seguir o fluxo é o comportamento normal e corriqueiro, porém, o discípulo é convidado a tomar o caminho da justiça do Reino.

AGENDA DE LEITURA

• SEGUNDA – Dt 11.26-28: A bênção e a maldição

•TERÇA – Dt 30.11-20: A vida e o bem, a morte e o mal

•QUARTA – Sl 1.6: O caminho dos justos e o caminho dos ímpios

•QUINTA – SI 119.29,30: O caminho da falsidade e o caminho da verdade

•SEXTA – Jr 21.8: O caminho da vida e o caminho da morte

•SÁBADO – Lc 13.24: A porta estreita

 

INTERAÇÃO

O tempo atual não comporta a ideia de as coisas não darem certo. O pensamento corrente é que servir a Deus significar blindar-se ou proteger-se de todo e qualquer tipo de problema. Contudo, o caminho feito por Jesus Cristo evidencia uma trajetória que nenhuma semelhança tem com a época de hoje e a expectativa messiânica daquele tempo. Por mais que se queira romantizar, a vida cristã implica o esforço de seguir a Cristo, tomando decisões que leva o crente a fazer o mesmo caminho que o Salvador fez. Não apenas o caminho é apertado, mas a própria porta, que leva a este caminho, é estreita. Portanto, caminhar com o Mestre é estar disposto a entrar pela porta estreita. E a dificuldade não estará apenas na decisão de entrar por esta porta, mas durará por todo o caminho, pois “larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela”. A salvação não é uma conquista particular de quem quer que seja, pois foi conquistada na cruz por Cristo, mas a decisão de adentrar a porta da salvação, e a permanência no “caminho que leva à vida”, são de nossa livre e espontânea vontade e, por isso mesmo, “poucos há que a encontrem”.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Antes de realizar qualquer tipo de atividade, observe bem sua classe e verifique se a sugestão desta orientação pedagógica se adéqua a sua realidade, pois a intenção é facilitar o aprendizado e não causar constrangimento.

Pergunte para a classe se alguém já teve de fazer dieta. Privar-se daquilo que o paladar queria, mas que por uma questão de orientação médica não podia comer. Se a pessoa quiser, peça para ela relatar o quanto foi difícil passar por esse período. Questione se alguém, por decisão própria, e por sentir-se cansado, acima do peso, com problema de saúde ou mesmo incomodado com o tamanho do manequim que usava em relação ao número que passou a usar, e que por isso fez alguma vez um regime, privando-se de fast-foods e outros alimentos calóricos para emagrecer. Veja se, além disso, a pessoa não teve igualmente de desenvolver hábitos saudáveis, mudando radicalmente a alimentação e praticando atividades físicas. Se a pessoa não se sentir constrangida (e nem provocar algum constrangimento em terceiros), e quiser relatar sua experiência, ela servirá de parâmetro para demonstrar o quão difícil é tomar uma decisão e nela perseverar para que os bons resultados atingidos não regridam.

TEXTO BÍBLICO

MATEUS 7.13,14

13 Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;

14 E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.

INTRODUÇÃO

Encaminhando-se para o final do Sermão do Monte, o Mestre agora inicia seu apelo e desafio à escolha da justiça do Reino de Deus (M 7.13-27). Trata-se de um momento decisivo, pois Jesus Cristo não convida as pessoas para se reunir em torno dEle e, posteriormente, em seu nome a fim de discutir, teoricamente, o que foi ensinado. O convite é à prática, e isso ninguém pode fazer por outro, antes é uma decisão individual que interpela a uma ou a outra opção, sem meio-termo, pois essa possibilidade não existe (Jo 14.6).

l – A METÁFORA DA PORTA E DO CAMINHO

1. Uma metáfora conhecida.

Desde os tempos do Antigo Pacto, a imagem dos dois caminhos é muito conhecida (Dt 11.26,28; 30.11-20; Sl 1.6; 119.29,30; Jr 21.8). Trata-se de um recurso Linguístico apropriado para se demonstrar a impossibilidade de se andar, simultaneamente, nos dois caminhos, ou de se pensar que possa existir um “terceiro caminho”.

O raciocínio é simples, se o caminhante está em um não pode, automaticamente, estar no outro. O uso do plural também é recorrente e abundante, mas de igual forma, há caminhos do Senhor e há caminhos da perdição, isto é, existem apenas dois tipos de caminho (Dt 8.6; 10.12; 19.9; 26.17; 28.9; 32.4; Jz 2.19; 5.6; 1 Rs 15.26; 2 Rs 17.13 etc.).

2. A metáfora da porta.

O Mestre utilizou a metáfora da porta para dizer aos seus discípulos que Ele era a “porta das ovelhas” (Jo 10.7) e reiterou- “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens” (Jo 10.9). A indicação é oportuna, sobretudo, se nos Lembrarmos da Lição passada que falou acerca de “bater” (Mt 7.7,8). Só se bate em uma porta, e essa porta que abre passagem para outra realidade, é o próprio Mestre e não algum conhecimento teórico de que alguns se acham proprietários (Lc 11.52). Quem se dirige a essa “Porta”, certamente encontrará a liberdade que procura (Jo 10.9).

 

3. A metáfora do caminho.

Jesus igualmente ensinou que Ele era o Caminho (Jo 14.6). O Mestre é a porta e o caminho que conduz ao Pai. Não existe qualquer subterfúgio ou atalho, é preciso comprometer-se em entrar por Ele, caminhar nELe e assim permanecer até o destino final (Mt 24.13).

O Pense!

Diante da verdade de que só há dois caminhos, você saberia dizer em qual deles você está?

Ponto importante

Como porta e caminho de acesso a Deus, Jesus está à disposição de todos que quiserem aceitá-lo, pois Ele não é propriedade de ninguém.

II – A PORTA LARGA E O CAMINHO DA PERDIÇÃO

1. A opção pela porta estreita.

Antes de apresentar a porta larga e ao que conduz o caminho espaçoso, o Mestre convida os discípulos a entrar “pela porta estreita” (v.13). Por quê?

2. Porta larga e caminho espaçoso.

Sob qualquer ângulo que se analisar, é muito mais fácil que, entre uma porta larga e outra estreita e entre um caminho espaçoso e outro apertado, o caminhante opte pelos primeiros (v.13).

O “normal” é seguir a multidão que, pelo próprio “tamanho” da porta e a largueza do caminho, é a maioria. No ensinamento de Jesus, tais metáforas representavam a religiosidade oficial de Israel que, com todo o seu legalismo, era incomparavelmente mais “fácil” de seguir que a justiça do Reino (Mt 15,14; Lc 11.52).

3. O destino final da porta larga e do caminho espaçoso.

Não obstante, serem a porta larga e o caminho espaçoso mais convidativos, o destino final de ambos é trágico, pois “conduz à perdição” (v.13). Muitos, porém, ignorando o destino, valorizam a facilidade do trajeto. Isso porque, no momento da peregrinação, não há necessidade alguma de renunciar a nada, e a aceitação popular acaba falando mais alto. Todavia, ao final a perdição será eterna (Lc 12.4-12; Mt 10.16-30).

O Pense!

Entre uma porta estreita e outra Larga, e entre um caminho espaçoso e outro apertado, quais são os mais fáceis de serem aceitos?

Ponto Importante

Considerando a estimativa de vida de uma pessoa, parece ser mais “fácil “decidir optar por ter “facilidades” nesta vida em relação a vida eterna.

Ill – A PORTA ESTREITA E O CAMINHO DA VIDA

1. A conformidade com a porta larga e o caminho espaçoso.

O convite só acontece em relação à porta estreita e o motivo é óbvio: o estar na vida leva as pessoas a seguirem pelo rumo mais fácil. Neste caso, o da porta larga e do caminho espaçoso que, visivelmente, é mais bem popular (v.13).

2. Porta estreita e caminho apertado.

São poucos os que decidem por entrar pela porta estreita e andar pelo caminho apertado (v.14). Ajustiça do Reino exige renúncia. Mesmo tendo razão, abrir mão de si em favor dos outros, amar os inimigos e não retribuir o mal, ser rejeitado até mesmo pela família por causa da fé e assim por diante (Mt 5.20; Lc 14.25-27,33; Jo 15.18-21; 16.1-3, etc.). Em outras palavras, abrir mão de seguir o fluxo para tornar-se discípulo exige uma decisão radical.

3. A vida plena como destino final dos que são discípulos.

Como o próprio caminho e também a vida (Jo 14.6), Cristo promete vida em abundância (Jo 10.10). Tal vida inicia-se aqui e prolonga-se até a eternidade (Jo 4.13,14). Por isso, o discípulo é informado acerca dos percalços que certamente serão encontrados durante o trajeto. Nesse caso, não há uma negação mágica prometida pela religiosidade retributiva, onde o certo • é feito para se obter o bem e o errado evitado apenas para não se atrair o mal. Na perspectiva da justiça do Reino, o bem é realizado sem que haja nenhuma expectativa de retorno ou reciprocidade, mas sim porque a nova natureza leva-nos a agir assim (Mt 5.13-16). Só é possível viver dessa forma sob a égide do Reino (Mc 8.34-38; Lc 9.23-26).

Pense!

Embora seja a opção mais difícil, entrar pela porta estreita e andar no caminho apertado, é uma decisão consciente e radicai. Você já afez?

Ponto importante

O caminho feito por Jesus Cristo – da rejeição popular e da aceitação e aprovação divinas — é o caminho que o discípulo deve também trilhar.

SUBSÍDIO 1

Entrai peta porta estreita (7.13,14)

A imagem fica mais clara no texto original. Devemos escolher entre dois caminhos. Um caminho é apertado ou difícil (tehtlmmene, não ‘estreito’), e a porta a que ele leva é ‘estreita’ (stene). Assim, poucos o escolhem. Por outro lado, multidões fluem ao caminho que parece mais espaçoso e fácil, que leva a uma porta larga e de fácil entrada. Aqui, como sempre, as multidões estão erradas, pois é o caminho difícil e a porta estreita que levam à vida.

Se parece fácil, e é popular entre a multidão, é provavelmente a escolha errada’ (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Hístóríco-Cultural do Novo Testamento, led. Rio de Janeiro: CPAD, p,33).

Dois Caminhos (7,13,14).

A ideia de dois caminhos é familiar no Antigo Testamento (Sl 1; Jr 21.8), Mas Jesus chamou a atenção para as portas. Estreita (13): a mesma palavra do versículo 14. A tradução literal é ‘apertada’, O termo grego para larga significa ‘espaçosa’. O ‘cristianismo do caminho largo’ não levará ninguém para o céu. Este é um pensamento solene que Jesus declarou; poucos encontrariam o caminho que á vida (CHILDERS. Charles L; A, Etwood (Eds.)

Comentário Bíblico Beacon Mateus a Lucas. VoL6. led. Rio de Janeiro: CPAD, 2006. pp.68-69).

SUBSÍDIO 2

Dois Caminhos: O Largo e o Estreito (7.13,14).

O caminho da morte e o da vida aparecem no Antigo Testamento, na literatura intertestamental, nos escritos de Qumran e na literatura cristã primitiva (Dt 11,26-28; 30.15-20; SI 1.6; 119.29.30: Jr 21.8, 2 Enoque 30.15: Testamento de Aser 1.3.5: 4 Esdras 71-9; Didaquê 1.1; 5.1; Normas da Comunidade 3,20,21),.

Na literatura de Gumran os dois caminhos são expostos como o ‘caminho da luz’ e o ‘caminho das trevas’, Jesus, de forma típica, apresenta as opções diante da audiência em paralelismo antitético; uma porta para a vida ou uma porta para a morte.

A maioria das pessoas toma o caminho fácil, o qual é desastroso. A porta para a vida é difícil e restritiva; os verdadeiros discípulos são minoria. Dado o contexto de Mateus, a dificuldade da porta estreita é o caminho da justiça, na qual Jesus há pouco instruiu as pessoas (ARRINGTGN, French L; STRONSTAD. Roger (Eds). Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed, Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p.61).

CONCLUSÃO

A mensagem do Mestre é clara e não permite devaneios Linguísticos, quem quiser segui-lo o fará através da passagem por uma porta estreita e da permanência em andar em um caminho apertado. Já em seu tempo, relata-nos João em seu Evangelho, que “apesar de tudo, até muitos dos principais creram nele; mas não o confessavam por causa dos fariseus, para não serem expulsos da sinagoga” (Jo 12.42). Na verdade, informa-nos ainda o apóstolo do amor, tais pessoas não assumiram a fé no Mestre, “porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus” (J o 12.43).

HORA DA REVISÃO

1. Muitas vezes Jesus ensinava através de figuras de linguagem. Ele se exemplificou como várias coisas em algumas oportunidades. Fale sobre as duas do tópico l.

A porta e o caminho.

2. No ensinamento de Jesus, o que significava as metáforas da porta larga e do caminho espaçoso?

No ensinamento de Jesus, tais metáforas representavam a religiosidade oficial de Israel que, com todo o seu legalismo, era incomparavelmente mais “fácil” de seguir que a justiça do Reino (Mt 15.14′ Lc 11.52).

3. Por que é mais fácil adentrar a porta larga e andar no caminho espaçoso?

Porque no momento da peregrinação, não ha necessidade alguma de renunciar a nada, e a aceitação popular acaba falando mais alto.

4. O convite de Jesus se dá apenas em relação à porta estreita. Por quê?

O convite só acontece em relação a porta estreita e o motivo é obvio: o estar na vida leva as pessoas a seguirem pelo rumo que for mais fácil, neste caso, o da porta larga e do caminho espaçoso que, visivelmente, é mais numeroso e bem popular (v.13).

5. Na perspectiva do Reino, o que significam as metáforas da porta estreita e do caminho apertado?

Estar em Jesus e andar na presença dEle.

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.