CINCO INGREDIENTES PARA A REALIZAÇÃO DA OBRA DE DEUS

  • – Visão
  • – Oração
  • – Relacionamentos Firmes
  • – Estratégia
  • – Ação

1 – VISÃO

O ingrediente número um para que a obra de Deus seja feita é a visão.

O arquiteto, antes de construir, desenha planos – faz um projeto completo. Deus, antes da criação do universo tinha um propósito eterno, uma clara e definida visão do que queria construir para a eternidade. Ef 1:4-14.

Jesus, ao vir ao mundo, antes de iniciar seu ministério, tinha uma clara visão do que vinha edificar.

A palavra que sintetiza a VISÃO DE DEUS e do Senhor Jesus é a palavra IGREJA.

Cristo declarou: “…Eu edificarei minha Igreja… ” Mt 16:18

O QUE É A IGREJA?

Hoje, equivocadamente, se chama Igreja a um edifício material onde as pessoas se reúnem para realizar um culto ao Senhor. (Esses lugares não são nem igreja, nem templos, nem casas de oração).

A igreja é a comunidade de homens e mulheres que, reconhecendo a Cristo como Senhor, têm nascido de novo e juntos formam o povo de Deus.

  1. A) AS TRÊS CARACTERÍSTICAS DA IGREJA – Rm 8:28,29
  • Qualidade – Ef 1:4; 3:16,17; 4:13:22-24ss; 5:25-27. -Unidade -Ef 1:9-10; 2:14-16; 3:6,7,18 e 19;4:1-6;1 3-16.
  • Quantidade – Ef 1:13; 2:11-13,17; 3:8,9; 6:18-20.
  • Em João 17:
  1. 15-17 – Qualidade-—> “… Santifica-os…”
  2. 21-23 – Unidade —– > “…para que todos sejam um…”
  3. 21 – Quantidade –> “.. .para que o mundo creia…”

QUALIDADE que produz UNIDADE que produz QUANTIDADE

  • Em 1 Coríntios 3:
  1. 12 – Qualidade—– > “… ouro, prata, pedras preciosas …”
  2. 3-8 -Unidade —— > (a falta de unidade revela falta de qualidade) “…sois carnais…”
  3. 10 – Quantidade —> “…cada um veja como edifica…”
  • Em Apocalipse 21:9-21:

Visão da Igreja, da Esposa do Cordeiro: “…me mostrou a grande cidade santa… ” (v. 10). Na descrição que segue da Igreja se pode ver as três características de qualidade, unidade e quantidade.

  1. B) A COMUNIDADE QUE DEUS SE PROPÔS LEVANTAR

De acordo com as Sagradas Escrituras, Jesus Cristo quer levantar uma igreja gloriosa e santa, sem mancha, nem ruga ou coisa semelhante (Ef 5:26,27); edificada com ouro, prata e pedras preciosas (1 Coríntios 3:11-15); até que todos cheguemos … à medida da estatura da plenitude de Cristo (Ef 4:13). Em termos práticos isto significa uma igreja integrada por famílias que vivem em paz e harmonia. Maridos ternos, sábios, amáveis. Esposas submissas, de caráter afável e aprazível. Filhos respeitosos e obedientes. Rapazes e moças que cheguem virgens ao casamento. Anciões honráveis e venerados pelos mais jovens. Crianças felizes criadas no amor e temor do Senhor. Homens trabalhadores, responsáveis, diligentes e fiéis. Mulheres virtuosas, alegres, cheias de boas obras. Um povo diferente, formado por discípulos que aprendem a ser humildes, pacientes, mansos, justos, generosos, sinceros, bons, felizes, honrados, íntegros. Discípulos cujo estilo de vida é amar, perdoar, servir, confessar suas faltas, obedecer, cumprir, sujeitar-se às autoridades, pagar seus impostos, ser sempre verazes, confiar em Deus, amar seu próximo, ajudar, compartilhar com os necessitados, chorar com os que choram, alegrar-se com os que riem, ser um com os irmãos, devolver bem por mal, sofrer as injustiças, dar graças sempre por tudo, vencer a tentação, viver no gozo do Senhor, orar sem cessar, dar testemunho de Jesus Cristo, ganhar outros para Cristo, fazer discípulos, pôr seu dinheiro e seus bens a serviço dos irmãos, e sobre todas as coisas, amar a Deus com todo o seu ser. Na medida em que progredimos em qualidade, progrediremos em unidade. Porque a unidade é fruto da qualidade, assim como a divisão é evidência de imaturidade e carnalidade (1 Coríntios 3:1-4). Os filhos de Deus como irmãos que somos, devemos formar uma só família aqui na terra, a família de Deus.

Unicamente assim devolveremos ao Evangelho sua plena credibilidade diante do mundo. “…Que todos sejam um…para que o mundo creia… ” (Jo 17:21).

  1. C) – A VISÃO DA IGREJA E DERIVADA DA VISÃO QUE SE TEM DE DEUS

QUALIDADE equivale a SANTIDADE.

Por que santidade? Porque Deus é santo.

Por que unidade? Porque Deus é um.

Porque quantidade? Porque Deus é grande e é AMOR.

A visão vem por revelação: Ef 1:16-18; 3:1-6.

 

  1. D) – TRÊS ASPECTOS DA IGREJA

FAMÍLIA:  dimensão horizontal  e eterna (Ef 2:19;  3:15)  Somos uma família, uma congregação.

TEMPLO: dimensão vertical e eterna (Ef 2:20-22) Somos um templo ou vamos ao templo? CORPO: dimensão funcional e temporal (Ef 1:22,23; 4:12-16) Funcionamos como um corpo?

Como CORPO devemos funcionar para edificar a igreja em sua dupla dimensão eterna FAMÍLIA e TEMPLO.

CONCLUSÃO: Tenho a visão ou um conceito da visão?

 

A visão produzirá em mim:

TRANSFORMAÇÃO = viver a visão PAIXÃO = arder pela visão COMPROMISSO = viver para a visão SACRIFÍCIO = morrer pela visão

2 – ORAÇÃO

Este é o segundo ingrediente indispensável para a obra de Deus.

  • Jesus tinha VISÃO ao iniciar seu ministério, mas a primeira coisa que fez depois de ser batizado e ungido pelo Espírito Santo no Jordão foi ir ao deserto para ORAR por quarenta dias. Orar e jejuar.
  • Cada manhã iniciava o dia orando (Mc 1:35)

– Às vezes passava a noite orando (Lc 6:12)
Por que orava se era filho de Deus?

– POR QUE DEVEMOS ORAR ?

  • Porque somos absolutamente incapazes de realizar a visão (Qualidade, unidade e quantidade).
  • Porque Deus é o único poderoso e capaz de edificar tal igreja (Ef 3:20)
  • Porque Deus o fará tão somente se o pedimos em oração. (Mt 18T8-19)1

– COMO DEVEMOS ORAR ?

  • A sós, em lugar e tempo específico.
  • Orar sem cessar (1 Ts 5:17; Ef 6:18).

 

  • Entre dois ou três irmãos (Mt 18:19-20; At 3:1)
  • Com um grupo pequeno (At 12:12).

5- Com toda a congregação (At 4:24)

– O QUE DEVEMOS PEDIR?

1-  A intercessão principal deve ser pela realização do propósito eterno de Deus.

  • Devemos fazer petições gerais e específicas, e persistir até ver seu cumprimento.
  • Temas de intercessão em várias passagens bíblicas:

> Jo 17 – Santidade, unidade e quantidade.

>  Mt 6:9-13 – A extensão do Reino, necessidades materiais, confissão e
proteção do mal.

  • Mt 9:38 – Envio de obreiros.
  • 1 Tm 2:1-4- Pelas autoridades e por todos os homens.
  • Ef 1:16-19 – Por espírito de sabedoria e de revelação.
  • Ef 3:14-21 – Para que sejamos cheios de toda a plenitude de Deus.
  • Ef 6:18-20 – Por intrepidez e graça na evangelização.
  • At 4:29-31 – Para que haja cooperação entre a igreja e o Senhor.

Em nosso meio, em termos gerais, se tem experimentado como igreja mais adoração que intercessão; Deus quer levar-nos para a intercessão sem enfraquecer a adoração.

3 – RELACIONAMENTOS FIRMES

A terceira coisa que Jesus fez ao iniciar seu ministério foi construir relacionamentos firmes com doze discípulos. Para isso assumiu a responsabilidade de estar com os mesmos para formar e ensinar com o seu exemplo e sua palavra, e eles fizeram o compromisso de sujeitar-se ao Senhor e ser seus discípulos.

A obra de Deus se faz com base em relacionamentos firmes, os quais significam: 1-Relacionamentos pessoais definidos e, 2-Relacionamentos comprometidos.

  1. A)OS RELACIONAMENTOS FIRMES FUNCIONAM EM TRÊS NÍVEIS:
  • Com pessoas mais experientes (em sujeição e compromisso).
  • Com iguais (em sujeição mútua) 2 Tm 2.2.
  • Com mais novos no Evangelho (em responsabilidade) Ef 5:21; 1 Pd 5:5
  1. B)DIFERENTES RELACIONAMENTOS:
  • Sujeição mútua entre apóstolos.
  • Pastores sob a cobertura de apóstolos e profetas.
  • Evangelistas sob a cobertura de apóstolos.
  • Pastores sujeitos entre si.
  • Diáconos sujeitos a pastores e sujeitos entre si.

– Líderes de grupos sujeitos a pastores e diáconos e sujeitos entre si.

– Discípulos sujeitos a seus discipuladores

 

> É IMPORTANTE QUE CADA IRMÃO TENHA UM OU DOIS IGUAIS EM SUJEIÇÃO MÚTUA COM OS QUAIS FORME UMA EQUIPE.

  • Todos os membros do corpo devem ter relacionamentos firmes com irmãos mais velhos, com iguais e com mais novos.
  • Todo o corpo bem ajustado e unido entre si por todas as juntas (Ef 4:16; Cl 2:19).
  1. C) A BASE DE NOSSOS RELACIONAMENTOS:

A base de nossas relações tanto com irmãos mais experientes, como com iguais, como ainda com os mais novos deve ter como base a atitude do Senhor Jesus descrita em Filipenses 2:2-8.

“… completai o meu gozo, para que tenhais o mesmo modo de pensar, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, pensando a mesma coisa; nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo; não olhe cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o que é dos outros. Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz “.

  • Atitude de unidade – v. 2 = ser um com o irmão
  • Atitude de sujeição – v. 7 = Jesus se sujeitou ao Pai mesmo sendo igual.
  • Atitude de servo, não de senhor – v. 7
  • Atitude de humildade – v. 3,8
  • Atitude de amor sacrificial e não de egoísmo – v. 4,8

Somente com base no ESPIRITO DE CRISTO em nós é possível construir relacionamentos para chegar à verdadeira unidade do corpo.

4 – ESTRATÉGIA

Em Ef. 4:7-16 está apresentada a estratégia de Deus para a edificação da VISÃO:

  • Aqui a figura dominante é a igreja como CORPO, sua dimensão funcional.
  • Cristo é a CABEÇA e cada filho de Deus é um MEMBRO ou uma parte do corpo.
  • OBJETIVO DA CABEÇA: a edificação do Corpo. Esse objetivo inclui as três características de qualidade, unidade e quantidade.
  • PLANO DA CABEÇA: usar, para edificação do Corpo, a TODOS os membros.
  1. A) – FUNÇÃO DA CABEÇA
  • – Governar o corpo – cada membro;
  • – Dar vida ao corpo – a cada membro até enchê-lo todo (Ef 1:23; 3:19; 4:10);
  • – Dar crescimento ao corpo – a cada membro (Ef 4:15-16);
  • – Dar dons – dotar de graça (habilidade) a cada membro p/ sua função (Ef 4:7-8).
  • – Constituir a uns como apóstolos, outros como profetas, a outros como evangelistas, outros como pastores e mestres (A. P. E. P-M). Tudo isso é função da CABEÇA e não nossa função.
  1. B) FUNÇÃO DOS APÓSTOLOS, PROFETAS, EVANGELISTAS, PASTORES E MESTRES
  • O objetivo desses quatro ministérios é o mesmo que o de Cristo: a edificação do corpo.
  • O plano deles é o mesmo que o de Cristo: usar a todos os membros do corpo
  • A função deles está indicada no verso 12:

“…a fim de APERFEIÇOAR AOS  SANTOS para a obra do ministério, PARA a  edificação do corpo de Cristo…” – Soe. Bíblica 1960;

“…Capacitar aos santos…” – Bíblia das Américas; “…Equipar aos santos…” – New American Version; “…Reto ordenamento dos santos…” – Bíblia de Jerusalém;

No grego se diz “…para KATARTISMOS DOS SANTOS..”.

KATARTIZO, segundo o dicionário grego-espanhol significa: consertar, ordenar, aparelhar, guarnecer, equipar, prover de, preparar, formar um todo, governar, dirigir, restaurar, reparar, colocar em seu lugar.

KATARTISMOS é um substantivo, por isso a antiga versão Reina e Valera traduz: “…para perfeição dos santos…”, e vem do verbo AKATARTIZÒ.

As passagens no N T onde se usa este verbo têm sido traduzidas de diversas maneiras e nos dão uma compreensão mais ampla de seu rico significado (Versão 1960 S B):

  • Mt. 4:21 – remendavam suas redes – consertavam, limpavam, preparavam suas redes e a

deixavam prontas para serem usadas no dia seguinte (Mc. 1:19);

  • 21:16 – aperfeiçoaste o louvor;
  • 6:40 – o que for aperfeiçoado será como seu mestre;
  • 9:22 – vasos preparados para ira;
  • 1 Co 1:10 – perfeitamente unidos;
  • 2 Co 13:11- aperfeiçoa-os;
  • Gl 6:1 – restaurai-o;
  • 1 Ts 3:10 – completemos o que falta de vossa fé;
  • Hb 10:5 – me preparaste corpo;
  • Hb 11:3 – foi constituído o universo ( formar um todo ordenado e harmónico);
  • Hb 13:21 – os faça aptos para toda boa obra (os capacite);
  • 1 Pd 5:10 – aperfeiçoa-os.

 

No grego clássico do primeiro século,  segundo Barclay,  katartismos,  ou seu verbo katartizõ, tem dois significados:

1 – Ajustar, por em ordem, restaurar. Exemplo:

1.1- Pacificar uma cidade que está desgarrada ou em facção.

  • – Colocar um membro deslocado em seu lugar.
  • – Desenvolver certas partes do corpo mediante exercício (treinamento)

2 – Equipar um homem ou habilitar para um propósito determinado. Exemplo:

  • – Habilitação, equipamento de um barco, deixá-lo pronto para zarpar.
  • – Equipar, armar e formar um exército e prepará-lo para que entre em ação.

RESUMINDO:

A função dos A.P.E.P-M como equipe ministerial é para o KATARTISMOS DO SANTOS:

-> para a obra do ministério -> para edificação do corpo

  • Aperfeiçoar, formar, reparar, restaurar os santos;
  • Preparar, capacitar, treinar, equipar os santos;
  • Ordenar, relacionar, colocar cada membro no seu lugar, formar um todo organizado, organizar os santos. Para que entrem em ação e desempenhem seu ministério na edificação do corpo de Cristo, de modo que na estratégia de Deus toda a Igreja é um seminário, cada irmão é um seminarista e os A.P.E.P-M têm como função primordial aperfeiçoar, capacitar, treinar, relacionar os santos, para que cada um cumpra seu ministério na edificação do corpo.
  1. C) FUNÇÃO DOS MEMBROS DO CORPO (Ef 4)
  • Cada membro é importante e tem uma função;
  • Cada membro tem recebido de Cristo um dom – v. 7;
  • Cada membro é um obreiro do Senhor – v. 13;

–   Cada membro tem  o ministério  de trabalhar na edificação  do  corpo (Ganhar,
discipular, relacionar);

–     Cada    membro    deve    ser   formado    no    corpo    com    relações    firmes    para
desempenhar seu ministério.

> OBJETIVO DE TODOS OS MEMBROS: v. 13

  • – Chegar à unidade da fé.
  • – Chegar à medida da estatura de Cristo.

> O PROGRAMA DE CRISTO PARA TODOS OS MEMBROS: v. 15

1 – Crescer em tudo em Cristo.

(Em qualidade, em unidade e quantidade)

> O PROCESSO DE CRESCIMENTO: v. 15

1 – Seguindo a verdade em amor.

 

> AS CONDIÇÕES PARA O CRESCIMENTO:

  • Sujeição à Cabeça, aos A.P.E.P-M e ao corpo
  • Funcionamento de cada membro – v. 16

“…Cristo, de quem todo corpo (estando bem ajustado e unido pela coesão que as conjunturas provêm) conforme o funcionamento adequado de cada um produz o crescimento do corpo para sua própria edificação ” (Ef 4:16 Bíblia das Américas)

5 -AÇÃO

O ingrediente decisivo para realizar a obra é a ação. Se não há uma ação, não há obra. A visão, a oração, os relacionamentos e a estratégia são para que caminhemos para a ação. “…Jesus começou a fazer e a ensinar …” (At 1:1).

  1. A) – FUNDAMENTO E MODELO PARA A AÇÃO: JESUS CRISTO

Da ação do ministério terreno de Cristo nasce o modelo de nossa atuação. Cristo não somente é o nosso modelo quanto à qualidade de vida, como também no seu OPERAR PARA DEUS.

Hoje a ação do Corpo de Cristo, a Igreja, deve corresponder à ação de Jesus quando esteve com o seu corpo aqui na terra.

Jesus tinha o ministério de apóstolo, profeta, evangelista, pastor-mestre e diácono (servidor).

Ele orava, jejuava, pregava, expulsava demónios, fazia milagres, ajudava aos pobres, alimentava os famintos, abençoava e amava às crianças, era amigo dos pecadores, perdoava os pecados, consolava os que sofriam, repreendia aos hipócritas, percorria cidades e povoados, evangelizava as multidões, evangelizava os indivíduos, entrava nos lares.

Seu ministério era múltiplo em meio às muitas necessidades da humanidade. Mas em toda essa intensiva ação, o aspecto central de seu ministério era DISCIPULAR a doze homens. A esses chamou e a eles se dedicou, formou, capacitou, equipou, treinou, (katartismos), e enviou para que fizessem o que ele mesmo fez.

Seu método formativo era duplo: o EXEMPLO de sua ação e a INSTRUÇÃO. Sarando, ele ensinava a sarar; pregando, ele ensinava a pregar; etc. E depois lhes ensinava e instruía à parte. Os discípulos eram formados VENDO a Jesus e OUVINDO os seus ensinamentos.

Hoje as circunstâncias são outras, mas as necessidades são as mesmas. O Corpo de Cristo na atualidade, mediante todos os seus membros, deve realizar o mesmo ministério multi-facetado que Cristo realizou. Para isso o Senhor reparte suas graças e dons a todos os membros do Corpo, facultando-lhes a ação. Mas, igual a Cristo, o CENTRO do ministério dos santos deve ser o FAZER DISCÍPULOS, pois isto é fundamental para a edificação do Corpo de Cristo.

  1. B)A SÍNTESE DA AÇÃO: MATEUS 28:18-20

Há três verbos que sintetizam a ação que a igreja deve desenvolver desde o Pentecostes até a

segunda vinda de Cristo:

  • PREGAR – (a todos)
  • BATIZAR – (aos que crêem)
  • ENSINAR – (aos que se batizam)

Estas três palavras resumem a expressão “…FAZERDISCÍPULOS… “

—> A ponta de lança da ação é a evangelização (quantidade). O que segue é o DISCIPULADO que produzirá a qualidade e a unidade dos discípulos. -> Para ensinar é necessário um PROGRAMA DEFINIDO DE ENSINAMENTO. “…ensinando-lhes que guardem todas as coisas que vos tenho mandado…”  Exemplo: Porta, Caminho e Meta.

  1. C) MARCO E ESTRUTURA PARA A AÇÃO: A IGREJA NUCLEANDO-SE NOS LARES

O grupo do lar, ou célula, ou grupo caseiro, não é um ente em si mesmo, nem mais um departamento da Igreja. Não há nas Escrituras a menção de grupos nas casas. Simplesmente o Novo Testamento menciona que a Igreja se reunia nas casas. A essa expressão às vezes se chama de Igreja na casa (Rm 16:5, 10, 11; Cl 4:15).

-> O QUE É UM GRUPO NA CASA?

É uma pequena comunidade de discípulos relacionados estreitamente sob uma condução adequada para desenvolver-se (em qualidade, unidade e quantidade), mediante a oração, o doutrinamento, a comunhão, no serviço mútuo, o exercício dos dons, e no ganhar e formar novos discípulos.

O grupo é uma parte da igreja da cidade e está sob a supervisão e direção do ministério pastoral.

-> O QUE É ESSENCIAL EM UM GRUPO ?                                                                      A

ordem de Jesus não foi: – ide e fazei grupos caseirosl Mas, “…ide e fazei discípulos… “.

O essencial em um grupo do lar é o discipulado. Se um grupo desses não tem o

discipulado, tem perdido a sua essência, e se reduz a uma simples reunião caseira.

Discipulado significa que existem discipuladores, discípulos, juntas, compromisso, sujeição,

formação   de   vidas,   formação   de   obreiros,   serviço,   ação,   evangelização,   multiplicação,

crescimento, etc.

-> QUAIS OS OBJETIVOS PARA O GRUPO NO LAR ?

– Integrar a cada um mediante:

  • O amor e a comunhão dos membros de todo o grupo;
  • O companheirismo estreito de dois ou três condiscípulos;
  • O relacionamento com seu discipulador.

– Formar a cada um:

  • Pelo AMBIENTE de fé, gozo, santidade, amor, oração, serviço, etc.
  • Pelo EXEMPLO de vida e obra.

♦   Pelo ensino da Palavra de Deus. O propósito do ensino é que conheçam a
Palavra, vivam-na e saibam ENSINAR a outros.

-Enviara cada um:

  • Criando CONSCIÊNCIA de que são obreiros;
  • Criando CIRCUNSTÂNCIA (levá-los conosco a fazer a obra, dar tarefas);
  • Delegando responsabilidade.

-> NÍVEIS DE FUNCIONAMENTO E ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO

  • Discípulo novo (filhinhos) 1 Jo 2:12-14
  • Discípulo fiel (jovem)
  • Discipulador (pai)
  • Responsável pelo grupo

Na estrutura da congregação segue:

  • Diáconos
  • Pastores-mestres
  • Apóstolos, profetas e evangelistas

É importante que em cada grupo caseiro o responsável ou responsáveis formem com os discipuladores o núcleo do grupo para levar juntos a carga e o desenvolvimento dos discípulos.

-> EXERCÍCIO DE AUTORIDADE

– Sobre a vida e a conduta dos irmãos devemos distinguir:

  1. Mandatos do Senhor – obediência comprometida
  2. Conselho pastoral – obediência voluntária (Hb 13:17)
  3. Conselho pessoal ou sugestão – obediência opcional
  4. Opiniões – liberdade de consciência – Rm 14:1-6

– Sobre a área funcional da igreja:

Os   pastores   estão   em   função   de   governo   e   a   eles   devemos    sujeição   e obediência. (1 Tm 5:17).

-> ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE UM GRUPO CASEIRO

  • Quantos discípulos verdadeiros existem no grupo, segundo Lucas 14:26-33?
  • Quantos estão sendo discipulados?
  • Quantos sabem fazer discípulos? Isto é, sabem pregar com clareza o Evangelho do Reino, guiar aos novos pela Porta e DISCIPULÁ-LOS?
  • Quantos estão ocupados nessa obra?
  • O que se está fazendo para melhorar a situação?
  1. D) DINÂMICA PARA A MULTIPLICAÇÃO

É responsabilidade de cada grupo preparar a todos os seus integrantes e envolvê-los na ação evangelizadora.

Há muitas formas de evangelizar. A partir do grupo caseiro sugerimos quatro maneiras:

  1. Sair na rua para testificar aos transeuntes com todo o grupo. Isto libera e aviva os irmãos.
  2. Tomar várias ruas de um bairro e visitar casa por casa.
  3. Fazer reuniões evangelísticas em casa de discípulos novos, convidando vizinhos, amigos e parentes.
  4. Criar empreitadas: cada membro do grupo elabora um lista de umas vinte ou

trinta pessoas inconversas ou afastadas, pelas quais se propõe a orar e visitar,

e depois de um determinado tempo levar a Palavra.

-> EXTENSÃO A OUTRAS REGIÕES

Dois ou três grupos caseiros se unem para abrir uma nova frente de trabalho em bairros distantes ou uma localidade vizinha. (Mc 1:28; Lc 8:1)

Ide e fazei discípulos de todas as nações …. eu te constituí como luz para os gentios …vós sois a luz do mundo…

 

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.